6ª edição do Wine Weekend reúne atrações nacionais e internacionais em São Paulo

Em sua 6ª edição, o “Wine Weekend São Paulo Festival” será realizado entre os dias 2 e 5 de julho, no Pavilhão das Culturas, no Parque Ibirapuera, em São Paulo. O evento vai reunir uma série de atrações para o público que gosta de vinhos, como degustação de diferentes rótulos e descontos especiais.

As atrações já confirmadas para o evento incluem, por exemplo, dois jantares harmonizados inspirados nas cidades de Paris e Bueno Aires, com pratos e vinhos típicos destas regiões; palestras de temas como cachaças e os vinhos mais indicados para servir em festas de casamento; espaço infantil no qual crianças de 2 a 8 anos poderão entender a cadeia produtiva da uva de uma maneira divertida; e exposições artísticas, como o trabalho do norte-americano Scott Gurdersen, especialista em construir retratos em grande formato com rolhas recicladas.

Uma novidade deste ano será o Bier Garten – o jardim da cerveja, no qual produtores nacionais e importadores colocarão para venda e degustação suas cervejas especiais. Outra atração inédita será o Museu do Vinho, que contará a história de mais de seis séculos do vinho no Brasil. A cidade de Bento Gonçalves, que reúne grandes fabricantes brasileiros, anunciou na semana passada sua parceria com o “Wine Weekend São Paulo Festival” para participar do Museu do Vinho, expondo parte do acervo do seu museu local sobre a história do vinho na região.

Os visitantes também terão a oportunidade de acompanhar de perto as degustações do “Concurso Mundial de Bruxelas Edição Brasil – Concurso Nacional de Vinhos e Destilados”, nos dias 2 e 3 julho. Nos dias 4 e 5 de julho, as bebidas vencedoras serão expostas no próprio evento.





Porto a Porto e Casa Flora dão sugestões para comemorar o Dia da Malbec

No próximo dia 17 de abril o mundo comemora o Dia da Malbec, a uva emblemática da Argentina. Nada melhor para celebrar a data que um belo vinho da casta. Para ajudar na escolha, as importadoras Porto a Porto e Casa Flora separaram três opções que demonstram a personalidade da uva.

Apesar de ganhar fama em solo argentino, a origem  da Malbec é europeia. Em Cahors, há pouco mais de 100 quilômetros da cidade de Toulouse, sudoeste da França, desde os tempos do Império Romano eram feitos vinhos tintos chamados “de Cahors” com a casta Cot. No século XVIII, essa mesma uva foi levada para a região francesa de Bordeaux, onde era cultivada para dar corpo e cor aos tintos mais delicados feitos por ali. Já naquela época ela recebia nomes como Malbeck (em Pauillac) e Pressac ou Noir de Pressac (em Saint-Émilion), ou ainda Auxerrois.

Depois do estrago que a filoxera (uma praga que ataca os pés das videiras) fez na Europa, em meados do século XIX, sobrou muito pouca Cot na França. Alguns anos antes disso acontecer, o agrônomo francês Michel Aimé Pouget já tinha levado para a Argentina algumas mudas de videiras, pois havia sido contratado para impulsionar a Quinta Agronômica de Mendoza. A ideia era aumentar a variedade de cepas para elevar a qualidade da indústria vinícola argentina pelas mãos dos imigrantes italianos e franceses. A Malbec estava entre as apostas futuras. Logo, a casta mostrou todo potencial nos diferentes terroirs argentinos e começou a produzir vinhos melhores que em seu país de origem. Atualmente, a Argentina é o principal produtor de Malbec do mundo, seguida por França, Itália e Espanha.

O dia 17 de abril de 1853 marca a apresentação de um projeto para a fundação da Quinta Normal e uma Escola de Agricultura na Argentina, com o objetivo de desenvolver a indústria vinícola do país. Poucos anos mais tarde, o projeto foi aprovado e o país começou a despontar como grande produtor de vinhos, em especial da uva Malbec, aqui não mais utilizada em cortes, mas como protagonista de vinhos varietais. Pela importância histórica da data, a instituição Wines of Argentina (WofA) escolheu o dia 17 de abril para as comemorações do Dia da Malbec.

Entre as ações realizadas para a 5ª edição do Malbec World Day – que em 2015 acontecerá em mais de 64 cidades de 50 países do mundo, está a exibição de três curta-metragem selecionados pela WofA que levam o espectador a uma imersão na cultura da argentina e na cultura da Malbec. Os curtas Carrusel, Corazón Viñatero e Amor em Barrica de Roble podem ser vistos no link http://malbecworldday.com/

Atualmente a Malbec é a uva argentina por excelência, a variedade que dá os melhores resultados no país principalmente pela constante qualidade de suas safras, de Salta ao sul da Patagônia. Luján de Cuyo, uma sub-região de Mendoza, é a primeira DOC (Denominação de Origem) das Américas.

Em relação ao estilo, os malbecs argentinos são geralmente de um vermelho violáceo muito intenso e possuem aromas que lembram frutas vermelhas e pretas bem desenvolvidas, passando pelas notas florais até chegar aos clássicos aromas de especiarias. Outra característica marcante é a qualidade dos taninos: doces, suaves e macios, que tornam os vinhos agradáveis quando jovens e quando envelhecidos em garrafa.

Aqui no Brasil, as importadoras Porto a Porto e Casa Flora trazem rótulos de Malbec como o Emília Malbec, elaborado na região de Mendoza pelo produtor Nieto Senetiner. Possui cor vermelha intensa e os aromas lembram ameixa madura e geleia de frutas vermelhas, com notas de especiarias. No paladar é seco, elegante e equilibrado, com taninos suaves e longo final. Sugere-se para acompanhar carnes vermelhas, massas com molhos leves, frango e queijos meia cura.

Outro vinho disponível aqui no país é o Nieto Senetiner Malbec DOC, que tem origem em Lujan de Cuyo, em Mendoza, em vinhedos de 45 anos. Amadurece durante 12 meses em barrica de carvalho francês. O fato de ele ser DOC (Denominação de Origem) certifica que o vinho provém de um terroir particular e que foi elaborado de acordo com regras que atestam sua qualidade. Na degustação, possui cor vermelho intenso, aroma de frutas maduras como ameixa e figo, além de notas de baunilha e tabaco. Em boca, demonstra personalidade, boa acidez e final longo e elegante. É indicado para acompanhar churrascos, carnes grelhadas em geral e massas com molhos encorpados. Possui potencial de guarda de 6 a 8 anos se armazenado em condições adequadas.

Por fim, o Don Nicanor Malbec é um vinho também elaborado pelo produtor Nieto Senetiner, em Agrelo, Luján de Cuyo, Mendoza, em vinhedos com 30 anos de idade – Agrelo é considerado o melhor terroir em Mendoza para a produção da Malbec. Esse vinho amadurece durante 12 meses em barrica de carvalho francês de segundo uso. Na degustação, apresenta cor vermelha brilhante com nuances violeta e intensos aromas de cassis com notas de baunilha. Em boca é elegante, fresco e delicado. Indicado para acompanhar carne vermelha grelhada ou cozida e massas com molhos picantes. Sugere-se decantá-lo 30 minutos antes da degustação. Possui potencial de guarda de 7 anos se armazenado em condições adequadas.





Cantu escolhe a cidade de Curitiba para iniciar Cantu Day 2015

A Cantu Importadora inicia em abril o Cantu Day 2015, roadshow que se tornou um dos principais eventos da indústria vitivinícola no país. As primeiras duas cidades que receberão o evento são Curitiba e Porto Alegre. Essas duas capitais foram escolhidas pela Cantu por terem público consumidor compatível aos produtos que a empresa está promovendo este ano: mais de 300 rótulos premium de 30 vinícolas provenientes de 10 países. O evento na capital paranaense acontece hoje para convidados, na Nova Curitiba Eventos, das 16h às 21h. Entre os produtores estão Ventisquero (Chile), Poças e Alexandre Relvas (Portugal), Domínio Del Plata e Susana Balbo (Argentina), H.Stagnari (Uruguai), Lyngrove e Graham Beck (África do Sul), Yellow Tail e John Duval (Austrália), Louis Bernard e Nuiton Beaunoy (França), além de Folonari, Montresor e Riveto (Itália).

Além disso, a empresa também homenageará os vinhos nacionais. No evento, produtores brasileiros da bebida terão a chance de expor seus rótulos para centenas de compradores e jornalistas.

Tiago Dal Pizzol, gerente geral da Cantu, afirma que começar o Cantu Day em Curitiba tem um significado especial para a importadora, que tem um longo relacionamento com o Paraná. Além de ser uma empresa do estado, a cidade é um dos principais mercados para seus vinhos.

 





Gondwana e sommelier Wagner Gabardo lançam a Rota dos Vinhos do Sul do Brasil

A Gondwana em parceria com o sommelier Wagner Gabardo lançam a Rota dos Vinhos do Sul do Brasil, em um roteiro inédito de Enoturismo a ser realizado de 13 a 17 de maio de 2015, partindo de Curitiba.

O foco da viagem é visitar pequenos produtores de vinhos de culto, aclamados pela critica especializada, das regiões de São Joaquim, Campos de Cima da Serra e Serra Gaúcha.

Estão previstas na viagem almoços típicos em vinícolas, palestras de enólogos, além de uma visita a um cultivo de ostras no Ribeirão da Ilha de Florianópolis – primeiro ponto de parada da viagem – seguida de degustação da iguaria com espumantes.

“A idéia é contemplar em um único roteiro o potencial não só enológico, mas gastronômico dos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul”, comenta o sommelier Wagner Gabardo.

A parceria do Sommelier com a Gondwana começou de forma surpreendente. No início do ano, realizaram uma viagem a regiões vinícolas na Argentina e no Chile, enfocando pequenos e médios produtores com filosofias de trabalho que priorizam o respeito a natureza, a sustentabilidade e a produção de vinhos seguindo métodos ancestrais.  A viagem foi um sucesso e outras edições estão a caminho!

A seguir mais detalhes da Rota de Vinhos do Sul do Brasil (clique na imagem para ampliar):

Reserve seu lugar através do fone: (41) 4566 6339 ou contato@gondwanabrasil.com.br





Pobre Juan cria menus harmonizados para comemorar o mês do Malbec

O Pobre Juan oferece, até o dia 30 de abril, três menus harmonizados com Malbec a preço exclusivo. Trata-se de uma ação em paralelo ao projeto Malbec World Day, em parceria com a WOFA (Wine of Argentina). O Pobre Juan fica no Piso L1 do Pátio Batel.

Para começar, o sommelier da casa, Diego Arrebola, harmonizou o prato Monumental Prime Rib (corte especial com osso da parte mais nobre do lombo bovino, acompanhado de mousseline de batatas) com o vinho Alma Negra Malbec (R$ 244,90). O Long Island 481 Steak (900g – acompanhado de papas Soufflée) foi harmonizado com o DV Catena Sauvignon Malbec.

Para finalizar, uma das novidades do menu do Pobre Juan: o 481 Burger (duas unidades do hambúrguer handmade, preparado com 250g de um blend de cortes selecionados, emulsão de chorizo ibérico, queijo gruyère e rúcula, no pão de hambúrguer, acompanhado de fritas e ketchup de goiabada), foi harmonizado com Chento Vineyard Selection Malbec (R$ 180,90).





Chandon explora novas harmonizações durante o festival Comida di Buteco

Assim como a Chandon, a comida de boteco é genuinamente brasileira. Então, levou-se o espumante ao boteco para assim descobrir novas harmonizações, mostrando que a bebida também combina com ambientes descontraídos e porções de aperitivos.

Com essa proposta, a marca fará sua estreia no Comida di Buteco, o primeiro concurso de cozinha de raiz do país, que começa no próximo dia 10 de abril. Com o tema “Frutas no Brasil”, a 16ª edição da competição vai escolher os melhores botecos e petiscos nacionais destacando uma riqueza tipicamente brasileira: sua variedade de frutas nativas, exóticas e surpreendentes que podem ser combinadas com Chandon. O evento acontece simultaneamente em 20 cidades, de 11 estados mais o Distrito Federal, nas regiões em que a Chandon está presente.

Ao todo, são 500 bares participantes que vão colocar à prova do público seus tira-gostos. A Chandon estará presente em 212 botecos espalhados pelo Brasil. O presidente da Chandon, Sergio Degese, avalia que a comida de raiz traduz a identidade de uma região, assim, é um convite para compartilhar momentos alegres e descontraídos. Segundo ele, essa proposta dialoga diretamente com o universo da Chandon, que reforça a presença da bebida nesse ambiente, em um momento tão convidativo como o festival.